No sentido de esclarecer estas alterações, realizou endoscopia di

No sentido de esclarecer estas alterações, realizou endoscopia digestiva alta (EDA), que revelou corpo gástrico com abundante conteúdo de estase e bulbo duodenal com mucosa tumefacta e ulcerada

condicionando estenose e cálculo de 15 mm no seu interior, impedindo a progressão do endoscópio (fig. 1). A tomografia computorizada (TC) abdominal evidenciou cálculo de 15 mm no lúmen de DII (fig. 2), vesícula colapsada com cálculo de 20 mm e aerobilia. Foi também possível identificar uma fístula colecistoduodenal e espessamento do íleo distal, com cálculo de 7 mm não oclusivo. O doente melhorou após instituição de terapêutica médica, que incluiu descompressão com sonda nasogástrica e fluidoterapia. Foi posteriormente orientado para realização de colecistectomia e encerramento de fístula OSI-906 order colecistoduodenal. Na cirurgia, foi possível identificar a fístula e a existência de uma vesícula escleroatrófica com múltiplas aderências duodenais. O exame histológico da vesícula biliar revelou lesões de colecistite aguda e o retalho da parede duodenal evidenciou um discreto infiltrado polimórfico. Foi novamente

internado 2 meses mais tarde, com um quadro clínico semelhante. Rx abdominal sem níveis hidroaéreos. Repetiu EDA, onde se voltou a observar estenose na transição do bulbo para DII, não ultrapassável pelo endoscópico, mas desta vez sem cálculo endoluminal. Biopsias duodenais com alterações inflamatórias inespecíficas. Melhorou clinicamente check details com tratamento médico (pausa alimentar, sonda nasogástrica e fluidoterapia). Cinco meses depois, regressou ao SU por vómitos pós-prandiais associados a diarreia aquosa. Na EDA, observou-se subestenose na transição para DII, com úlceras profundas em DII e DIII (fig. 3). No sentido de esclarecer o espessamento do íleo observado na TC abdominal anteriormente Obatoclax Mesylate (GX15-070) realizada e pela suspeita de DC após a repetição da EDA, efetuou colonoscopia, em que se verificou válvula ileocecal com subestenose e íleo com úlceras serpiginosas (fig. 4). As biopsias do íleo, após revisão por 2 anatomopatologistas, demonstraram exsudado fibronecrótico próprio

de fundo de úlcera e infiltrado inflamatório linfoplasmocitário. O exame micobacteriológico foi negativo. A enterografia por TC revelou espessamento do duodeno e íleo e excluiu a presença de formações ganglionares. O doente apresentou boa resposta clínica e analítica à corticoterapia, mantendo este tratamento (em esquema de redução) até ao efeito clínico da azatioprina, na dose de 2,5 mg/kg. Desde há 6 meses que está assintomático. Os cálculos vesiculares são diagnosticados em 25% dos doentes com DC, representando um risco relativo de 1,8 comparado com a população geral9. O atingimento do íleo distal reduz a circulação entero-hepática dos ácidos biliares, contribuindo para a diminuição da solubilidade do colesterol na bílis e o consequente desenvolvimento de cálculos8.

Other articles you might like;

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>